domingo, 21 de fevereiro de 2010

Tecnologia Automóvel ou Eu amo a Engenharia!

Maravilhosa invenção o automóvel!
Não há Santo dia em que o meu veículo não me dê uma dor de cabeça (daquelas tão fortes que nem uma dose de 600mg de um AINE genérico resolve tal maleita).
Antes de conduzir a minha carripana, eu não tinha qualquer noção das artes da mecânica! Hoje…Hoje posso afirmar que (quase) domino o fascinante mundo das pastilhas, do óleo, da caixa de velocidades, das centralinas, das sondas lambda, das correias de distribuição etc. etc.
Há cerca de um mês e meio, o elevador do vidro do condutor da minha viatura resolveu “gripar” (linguagem adequada não?), pela segunda vez, deixando o interior da mesma sujeito às mais variadas intempéries e catástrofes naturais, bem como a mãos larápias.
Inspirada pelo grande MacGyver utilizei uma pinça cirúrgica “dentes de rato” para segurar artisticamente o vidro inseguro… Esta minha obra de engenharia demonstrou ser eficaz durante 28 dias, ao final dos quais o vidro foi engolido pela esfomeada porta do meu meio de transporte! Grrr...Pufff…
”Tudo de bom” se eu não me encontrasse a 200 km de casa e com o carro carregado de malas até ao tecto!
Um cobertor na janela do carrito e várias tentativas para impedir que o alarme disparasse a cada vinte e cinco segundos.
Chegou o dia marcado para regressar a casa e aí sim, a aventura começou!
Nada mais inspirador do que percorrer a Estrada Nacional sentido Coimbra-Lisboa com ar condicionado forçado, brisa suave regulada para 6º C com direcção orientada à tromba do condutor!
De gadelha (suspiro) coberta por um manto, qual Moura deslocada, luvas de neve engalfinhadas nas mãos, óculos escuros, sobretudo e cobertor de pura lã Merina (ui piadinha veterinária!) lá me lancei pelas curvas da sinistra estrada, arreganhando o dente ou petrificando cada vez que ousava ultrapassar os 80km horários…

Take 1:
Na estação de serviço:
“Ó Dona! Ainda lhe assaltam o carro, esqueceu-se do vidro aberto!” (grrr)
Take 2:
Na tasca beira de estrada, durante uma pausa para trincar um donuts:
“Senhora, deixou o carro vulnerável! (Vulnerável? Poeta o chefe!)
Take 3:
No sinal vermelho dos semáforos de controlo de velocidade:
“Bela música jovem!” (Não quer entrar? Dançar?)

Não me digam que era fácil a deslocação em mulas…Era duro…Era muito duro!!!

3 comentários:

Auguste disse...

A mula tem sempre a janela aberta.. Mas em termos de segurança é mais eficiente.. Dá marradas! xD

A minha mula já não dá música =( Deixaram-me a mula, mas levaram a antena.. lolol

Anónimo disse...

Os automóveis têem dessas coisas eu tive um que apitava desalmadamente se eu não fosse a direito no meu trajecto!...não gostava de curvas...Cheguei por isso a ver vários polícias de braços no ar!... agora não posso dizer que tenha tido influência na minha endumentária como aquele que aqui referes...garanto que o meu não é ficção...

Mariana disse...

Eu, pessoalmente, utilizo a pinça "dentes de rato" para recuperar tampas das escolvas de dentes que caem no ralo do lavatório da casa de banho.

Enfim, são múltiplas as utilidades.