segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Atracção específica

Às terças-feiras à tarde vou de carro para a faculdade. No carro do meu irmão, claro, que eu não possuo tal comodidade.

Certa terça-feira, ia eu a sair de casa quando reparo que faltam os documentos do carro! Furiosa, telefono ao meu irmão:

- Onde raio estão os papéis do carro?
- Uuuuuhps... esqueci-me e trouxe-os comigo... Olha, passa por aqui antes de ires para a faculdade!

Bom, não tive escolha, e passei pelo IST de carro, com uma guia provisória e sem documentos... Como se não bastasse, o ponto de encontro que o meu irmão escolheu era um local que estava em obras. Parei em cima de uma passagem de peões amarela, atrás das obras. Liguei os 4 piscas e esperei pelo meu irmão.

Ao olhar para a esquerda vejo um polícia mesmo ao pé de mim. Eu olho para ele, ele olha para mim (através de óculos escuros), eu fico quieta, ele continua a ronda.

Estupefacta por ele não me dizer nada, fico no mesmo sítio. Ele passa várias vezes por mim e não diz nada. Não sei bem o que fazer, por isso não faço nada.

O meu irmão surge calma e lentamente, com os documentos na mão, bem visíveis a 5 metros de distância. Quase a chegar ao carro ainda os abana para eu ver que estavam ali...

Refilo qualquer coisa com o meu irmão, mas ele não percebe qual é o meu problema e deixa-me a falar sozinha... Olho outra vez para o polícia, que olha para mim. Não tem um ar especialmente carrancudo. Eu tenho a certeza que estou a cometer umas quantas infrações. Como ele não diz nada, inicio a marcha o mais rapidamente possível para sair dali, passando um amarelo tinto.

Conclusão a que cheguei: sou uma gaja podre de boa, cheia de charme e com "great personality". Claro que estas qualidades apenas são detectadas e apreciadas por certos tipos de homem, nomeadamente blacks, indianos, velhos (mais de 75 anos), sem-abrigo e bêbados. E, aparentemente, certos polícias.

Dou já de seguida mais alguns exemplos:

  1. Ia eu, inocentemente, pela rua abaixo, quando um bêbado pára a sua caminhada ziguezagueante e me diz, olhos nos olhos, bafo ácido na sensível mucosa nasal: - Ésh a menina maish bonita que eu já vi...!
  2. Passei por um sem-abrigo na Baixa e ele olhou para mim, fez um esgar amarelo e cantou: -Oh linda, linda sardinha...!
Odeio as minhas ferormonas.

3 comentários:

Madalena Melo disse...

LOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL lindo!

thaeos disse...

Como douta aprendiz de veterinária que sois, deveis certamente saber que o ser humano é o animal mais confuso que existe, feromonalmente falando... Com tanto perfume que se usa, até as abelhas nos tomam por flores! :P

Mas vê o lado positivo da questão:

1.escapaste de uma valente multa (e quem sabe algo mais!);

2.o bêbado, não estaria assim tão ébrio, senão teria terminado a frase com a convicta afirmação: "...e a shua irmã gémea não lhe fica nada atrásh...";

3.ser comparada com uma sardinha por um sem-abrigo....isso era a fome dele a falar...provavelmente imaginando comê-la assada entre duas fatias de pão (ok...better not go that way!!);

Certamente, um dia, se olhares bem em teu redor, surgirá o 'príncipe encantado', qual abelhão em volta da flor perfumada (ok...esta agora pareceu outra coisa...)! Até consigo imaginar o diálogo, com displicência:

- És tu a produtora dessa essência que me leva à perdição??
- Se calhar...Desculpa, é que ainda não tomei banho hoje!!!

Ai, vai ser amor à primeira vista....ou melhor dizendo, à primeira cheiradela... :P

avozdaignorancia disse...

Se a beleza é subjectiva, as multas não são!
Por isso... escapaste de uma bela multa objectiva. Será que achas mm que não tens encantos...????
You are beautiful no matter what they say...